Dia 15 - O que mantém o amor?


Primeira resposta...não sei.


Li numa revista, e até transcrevi aqui a uns dias atrás, que amor se aprende, se é assim, temos que agir como estudantes diante das matérias mais difíceis.


Na época do meu colegial, tive duas reações, em matérias distintas que eu tinha na escola, uma eu me isolava, tinha pavor do professor, por mais que estudasse havia algo que me impedia de tirar boas notas, não esqueço...morria de medo, e o resultado disso, eram notas baixas, baixa estima, desânimo. Até que um dia minha mãe foi a escola conversar com o professor, dizer para ele que eu estava com medo dele, que achava que ele não gostava de mim, que eu tinha dificuldade com a matéria dele. Ele ouviu minha mãe, com surpresa, mas atento e disse que ia me ajudar. Na semana seguinte ele começou a me dar mais atenção, e eu por saber que minha mãe tinha dito tudo que eu não tinha coragem de dizer me senti aliviada, resultado, minhas notas melhoraram e no final do ano, ele era um dos professores que eu mais gostava.


O que é isso então? Medo, complexo, dificuldade, etc. Mas em contra partida eu tive de ter determinação, desejo, prazer, empenho, etc.


Fazendo uma comparação grotesca com o aprendizado do amor, penso que dedicação e vontade são fatores determinantes no bom resultado.


Não existe amor entre duas pessoas que não se dedicam ao sucesso do relacionamento. Pode haver convivência, comodismo, conformismo, até carinho...mas na minha ignorância, não acho que isso seja amor.


Não vejo como uma planta pode crescer sem ser regada, como um animalzinho pode sobreviver sem cuidados, etc, é uma questão de referência. Não penso que devemos ser pegos pela mão, nem que o outro nos seja essencial a sobrevivência, mas ao amor, o carinho e o cuidado são.


Me sinto hoje, como uma planta que foi cultivada desde a semente (estou falando de amor) com carinho, com vontade, mas cujo dono em algum momento ficou um pouco desanimado e então se distraiu, mas ele percebeu que gostava daquela plantinha, que ela lhe fazia feliz, e voltou a regá-la, mas não como antes, porque agora ele tem outras plantas, um peixinho, um gatinho...não que a planta seja menos importante ou mais que os outros, mas ela está com dificuldades de ficar frondosa, vistosa...em dias de sol ela fica feliz e pensa: Hoje é dia de cuidados. Mas o dia se vai e os cuidados não aparecem.


Estou falando só do meu lado (enquanto planta), mas isso serve para todo mundo, e num casal para os dois.


Agora imagine eu como o "regador", mas a planta está em um local de difícil acesso, vou tentar regá-la porque ela é muito importante pra mim, mas não será da mesma forma, como quando ela estava em minha janela.


A conclusão...tem que haver disposição com disponibilidade, dedicação com vontade, paciência, sabedoria para se ter discernimento, e acima de tudo, não querer ser planta e nem regador, apenas aprendiz, com humildade.


Ai ai quero ser plantinha de novo!!

Comentários