Dia 95 - Maria

Estava na manicure a pintar as unhas, neste último sábado, e uma senhora de seus 70 anos chegou e aguardava a sua vez. Como é de costume, no local, conversamos muito sobre diversas coisas, algumas contam suas desventuras, outras contam seus problemas de saúde, outras ficam preocupadas com a cor do esmalte, enfim, nada que desgastasse os pensamentos.

Observadora por natureza, algo me chamou a atenção naquela mulher, e para ser sincera nem me lembro bem como a conversa começou, só sei que ela comentou que quando jovem havia se casado com um louco.

Eu, curiosa e pra frente, não me aguentei e perguntei: Como assim?

- A Senhora me perdoe a intromissão, não tenho nada haver com sua vida, mas poderia me contar a sua história? - perguntei de sopetão.

Ela respondeu docemente:
- Claro minha filha! Minha vida é um livro aberto.

Sentei e começei a ouvir.

Maria era uma jovem muito bonita, tinha apenas 16 anos quando se casou, pela primeira vez. Naquela época os casamentos eram arranjados, e seu noivo era considerado um bom partido, já que era de boa família, de pai metalúrgico de grande empresa, e como era de se esperar o pai de Maria fazia muito gosto do casamento.

Em seis meses noivaram e em um ano casaram-se.

Maria não era apaixonada por ele, mas aceitou casar, porque, até então, era um bom homem e pensava que poderia vir a lhe fazer feliz, e também agradaria ao pai.

O casamento realizou-se a contento. Casaram-se somente no civil, houve festança com dança, como diziam na época. Mas a noite chegou, momento no qual o casamento seria consumado e que Maria iria se entregar a um homem pela primeira vez.

Eis que teve uma infeliz surpresa, seu noivo tinha problemas mentais, tomava medicamento controlado e Maria não sabia deste fato.

Naquela noite, por uma razão inexplicável, em vez de amor houve dor, seu então marido lhe agarrou o pescoço e tentou matá-la num acesso de loucura. Maria gritou, pediu ajuda e foi atendida, machucada por fora e por dentro não compreendia como tudo ocorrerá. Seu esposo foi preso, constataram sua loucura e do dia do casamento e durante três anos ficou internado num hospital especializado em tratamentos mentais.

Até os 19 anos Maria não namorou, mas encontrou num amor de infância o que pensava ser sua felicidade, casou-se aos 20 anos, novamente, só que somente na igreja. O casamento anterior foi anulado uma semana depois de ocorrido.

Maria é morena de olhos azuis, feições delicadas e um olhar docil e generoso, mas me confessou que naquela época tinha o sangue muito quente, principalmente porque seu segundo marido adorava mulheres, e por causa de outras mulheres começou seu calvário.

Aos 20 engravidou de seu primeiro filho, seu marido não aceitava a gravidez, dizia que ela tinha engravidado para o segurar, mas ela na verdade não tinha os métodos para evitar tal situação.

Seu marido costumava frequentar um prostíbulo num bairro próximo e um dia Maria foi informada de que estava lá com sua amante, indignada e furiosa se dirigiu ao local, chamou uma cunhada para a acompanhar e chegando lá virou uma fera.

Deu uma surra na amante, com um ferro lhe abriu um talho no rosto, que seria fechado com 18 pontos. Após o ocorrido seu marido ficou furioso e resolveu chamar a polícia, contudo, o delegado resolveu abrir um processo contra o marido, que durante dois anos respondeu por ele.

Depois disso a vida de Maria nunca mais foi a mesma, a cama de casal foi substituída por duas de solteiro, era agredida e humilhada, a ponto de desejar que seu marido nunca a tivesse conhecido ou que desaparecesse.

Engravidou mais duas vezes todas no resguardo da gravidez anterior, o amor que pensava ter existido nunca se concretizou. Seu marido morreu num acidente de carro, viveram 3 anos juntos, dos quais 2 foram um tormento para Maria. Ele a deixou com três filhos, um de 4, um de 3 e um de quase 2 anos.

Perguntei a Maria se amou novamente e ela me disse que não, não amou mais nenhum homem.

Perguntei se não sentiu falta de carinho, desejo de mulher, e ela disse que não, tinha seus filhos.

Ela disse que seu filho mais velho, quando mais adulto dizia que não queria que ela namorasse ninguém, e que se o fizesse iria embora de casa e não falaria com ela.

Perguntei se algum dia, depois de adulto e com família, seu filho havia conversado com ela sobre sua atitude de a proibir um novo amor e ela disse que não, nunca conversaram mais sobre isso.

Ela me disse que teve outros pedidos de casamento, mas que foi mãe a sua vida toda e foi feliz assim.

Maria atualmente mora com uma sobrinha, cuidara de sua filha, que já tem 20 anos. Frequenta reuniões da terceira idade, visita uma das filhas todos os fins de semana, visita parentes e amigos, diz nunca ter se sentido só porque em sua casa sempre foram amigos, diz nunca ter tido depressão, não parou para pensar nisso.

Fiquei surpresa com o relato, como uma mulher tão bonita não teria tido um novo amor, me senti incapaz de compreendê-la, disse a ela que eu não surpotaria, a minha amiga manicure disse que não ficaria só uma semana, rimos disso.
Na verdade acredito que as pessoas suportam qualquer coisa, depende da realidade de cada um. Deus em sua sabedoria deu a essa Maria a força que precisava e ela aceitou, soube usá-la e é grata pela vida que teve, se diz feliz e realizada.

Pedi para abraçá-la, tão meiga era aquela mulher. Vi força e alegria naquele olhar que docilmente me dizia que a felicidade não está em outro, mas em nós, pois assim vive Maria.
Obrigada Maria.

Comentários

Anderson San disse…
Maria, mulher de luta, foi obrigada a abrir mãos de seus desejos carnais, conheceu a dor antes que o amor, vivera em busca de paz e a encontrou em sua solidão.
"Deus dá o frio, conforme o cobertor".
Anônimo disse…
Sabe-se lá como o sofrimento de todos estes anos se transformaram em resignação... certo é que sem amor nao se vive, ou de outro modo , se sobrevive e isto nao contenta seu espirito né Geo. Ainda bem que somos parecidos nisto. A historia que li só confirma o quao especial voce é, por se interessar pela vida de uma desconhecida... Por esta e outras voce é e será sempre a Rosa mais bela. bjos ... Custodio
Jose Gonçalves disse…
Geo

A história dessa Maria é a história de muitas Marias, algumas delas ainda mais sofridas.
A humanidade não tem emenda.
Cada história de cada Maria daria para escrever um livro.
Com a história de todas as Marias faríamos uma biblioteca. Talvez a maior do mundo.
Um beijinho
José Gonçalves
elvira carvalho disse…
Sofrida a estória da Maria. Mas e já se perguntou quantas Marias existem por esse mundo de Cristo? Não se sente infeliz. Porque a felicidade Geo é um estado de alma. Há pessoas que teem uma vida óptima, saude dinheiro, são bonitas, e caiem na depressão e se sentem muito infelizes. Outras pelo contrário, não teem nada e sentem-se como se fossem os reis do mundo. Precisamente por isso. Porque transportam em si a felicidade.
Um abraço