Dia 171 - Your

Deixa-me dizer Eu te amo
Deixa-me ser quem sou
Vento
Promessa
Barco a vela
Sem rumo
Deixa-me ser donzela
Esperar por um grande amor

Deixa-me ser fera
Marcar-lhe o corpo sem dor
Deixa-me ser viva
Expressar o que corre em minhas veias
Chegadas e Partidas

Deixa-me ser mulher
Forte, frágil,
Grande como montanha
Frágil como flor
Deixa-me ser sua
Amor que acende a lua
Deixa-me ficar
Não me peça para voltar

Deixa-me sem pensar
Não me arraste pelos espinhos
Deixa-me ser caminho
Não pise em mim com sua 'ignorância'
Deixa-me ser má
Deixa-me expressar minha natureza
Hora produtiva e generosa,
Hora rebelde e com rudeza

Deixa-me ser rainha
Seja meu consorte
Prometo levar-te ao céu
Prometo não levar-te a morte

Deixa-me ser extremo
Serei sua eterna companhia
Deixa-me ser mar
Prometo deixar-me navegar
Prometo-te bonança



Deixa-me ser gaivota
Voar sobre teu céu
Pousar em teu corpo a noite
Guiar-te ao mundo de Morfeu


Deixa-me ser Eu
Conjugar-me em Você
E seremos sempre rima
A prosa que não termina
Histórias em terras distantes
Eternos amantes
Mas, deixa-me...
Sem palavras...
Arrebatada!

Comentários

elvira disse…
Um dia peço-lhe autorização para postar este poema.
Um abraço e bom Domingo

A margem, a saúde debilitada de meus pais, ele internado no hospital onde foi amputado a uma perna, ela em casa, mas totalmente dependente, teem-me impedido de visitar os amigos virtuais e reais.
Goldfinger disse…
Querida Geo

Bela poesia e que arrebatamento.. é amar intensamente mesmo...
Uma boa semana para si Princesa.
Espero que já tenha percebido quem sou. É que tive de mudar de casa, a antiga já me cansava...

Um abraço e um beijinho

GOLDFINGER
Brancamar disse…
Olá querida Geo,

Volto com saudade e cá encontro os meus e os seus amigos de sempre. Pois é, aqui o Goldfinger, eu não lhe disse nada no post anterior porque ele nos fez surpresa a todos mas eu sabia que a Geo ia acabar por o reconhecer, como eu o reconheci de imediato. É assim entre amigos que se conhecem bem.
Mas falando agora do seu poema torna-se difícil comentá-lo porque ele simplesmente é cheio de energia e luz, é tão original e traduz de forma tão bonita o amor e tem além disso uma musicalidade maravilhosa! Acho mesmo que se podesse ser musicado dava uma canção lindíssima.
Geo, sinceramente, acho também que deve esforçar-se por dar a conhecer mais os seus textos, quer em verso, quer em prosa, publicar um livrinho e fazer tudo o mais que poder nesse sentido.
Foi maravilhoso partilhar connosco estes versos.
Obrigada querida e doce Geo.
Branca