Dia 204 - Meu tempo...

Uma pessoa muito especial na minha vida me enviou o texto que irei transcrever aqui, é de Mário de Andrade. Não posso dizer que as pessoas se sentem assim, Mário de Andrade se sentia e confesso que também me sinto. Sinto que há em mim uma urgência de vida, uma urgência de sentir o essencial, mesmo que para outros seja pouco, para mim é o ideal.

Interrompo minhas palavras para que as de Andrade tomem o seu lugar de honra neste Blog, aqui tudo que me é mais precioso toma forma, som, exala perfume ou contradição, aqui registro mais do que palavras, registro minha vida, seja de dores ou de amores, mas a vida que consiga ser vivida dentro da minha adorada ilusão.

"Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.

Tenho muito mais passado do que futuro.

Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas...

As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.


Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.

Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.


Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.

‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’.

Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência,

minha alma tem pressa…


Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade,

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,

O essencial faz a vida valer a pena.

E para mim, basta o essencial!"
 
 

Comentários

Amélie™ disse…
Já conhecia esse texto e acho ele bárbaro. Com o passar do tempo, nova visão muda mesmo. Passamos a dar valor àquilo que realmente importa.
Bjs.
João disse…
como um cesto dependurado numa cereja que nos empurra pedimos a vertigem de uma mão talvez o sabor de uns lábios
Bela foto, a mulher nua tentando arrumar o relogio, mas rotulos e conteudo sao definicoes mui complexas
João Gonçalves disse…
Muito bom!
Cada minuto conta!
O passado está na memória, o presente é a realidade, o futuro é uma esperança!
Concluo que o melhor é aproveitar o melhor possível de cada minuto presente!
Brancamar disse…
Lindo, é isso msemo querida Geo!
Que saudades de ler seus textos tão lindos! Eu estou há muito, pelo menos há uns 15 anos nessa fase de viver o essencial e mesmo antes nunca me preocupei muito com o acessório.
Estamos numa passagem, que é muito curta e cada dia que passa é uma benção para apreciar, saborear e viver em paz, com os outros e com a vida.
Um beijo grande para ti, menina linda.
Branca
Senhor Hyde diria: queria ficar nua mais tempo? Eu adoraria vê-la despida...
Dr Jekyll diria: despir-se-ia para o mundo ou para você própria? Sua nudez seria artística ou revolucionaria? Nua sua alma procuraria o belo, a fantasia, a perfeição ou a pureza. A procura seria uma forma de veste, que novamente lhe cairia a cobrir seu mundo ? A pureza que eu digo café a pureza da natureza e não se refere a estar imaculada? Beijo.
Igor Flores disse…
Adorei seu Blog! Quando puder passa lá no meu!
Bjao