Dia 101 - Um poema, muitos temas

Eu sei, eu sei...
que quero escrever,
mas as vezes as letras me faltam,
não por falta de pensamentos,
mas de organização destes eventos que ocorrem dentro da gente.


Eu sei, eu sei...
que me entender não é fácil,
mas do complicado nasci
e até hoje não entendi
como cheguei até aqui.

E também pra quê entender?
Certas coisas são o que são,
e seu sentido não muda,
independente do que julgamos saber.

Eu sei, eu sei...
que sinto felicidade sem motivo,
que por vezes me calo e intimido,
que quando estou com medo eu grito
e que tudo isso é oriundo de ser...humano.

Eu sei, eu sei...
que me canso por vezes,
que desisto algumas vezes
e que, as vezes, não sei o que fazer.
Mas quem saberá me dizer?
Eu respondo: Ninguém!


Eu sei, eu sei...
que nem todo mundo me atrai,
que não somos iguais,
que posso amar o banal, mas e daí?
Sempre amarei muito mais do que posso compreender.


E de todo esse saber,
nada sei ou saberei,
e de tudo, tudo que viver,
quando morrer,
só levarei o que me conceberam...ao nascer.
(Por Geovanna Rosa)
4 comentários