Dia 332 - As melhores palavras...

Me disseram certa vez que meus 'melhores' textos foram escritos em tempos de tristeza, isso porque (não me recordo bem quem disse e o que eu disse exatamente) a inspiração me faltava. Verdade seja dita escrevi muita coisa que gosto muito quando estava muito triste ou pensativa, mas vou conceituar assim: 
Minhas melhores palavras foram escritas quando em meu coração eu não conseguia conter meus sentimentos.
Digo isso agora, depois que entendi que não escrevia mais não porque não tinha o que dizer mas porque eu só sei escrever o que sinto. Sendo assim, para meus sentimentos minhas melhores palavras (melhores não significa sempre escrever palavras doces mas sim palavras sinceras ao coração).
Sinto em meu peito a vários dias que preciso voltar ao Blog, exatamente neste momento em que o tempo para mim está demais precioso.
Tornar-me mãe é como ir para o jardim de infância novamente aprender a falar, ler, interagir, aprender a sentir e se colocar nas mais diversas situações tudo com um olhar de descobridor aprendiz, exatamente como uma criança que, agora, cuida de outra criança. É fantástico e essa palavra nem de longe é a melhor para definir algo sem definição. 
Meu bebê se chama Pedro e está agora com três meses e meio e foi ele que me inspirou a retornar. Por incrível que parece agora durmo quase nada, trabalho dobrado e não paro um minuto. Mas já li um livro e neste momento escrevo para meu Blog. Se não tem filhos não me entenderá pois eu também não entendia quem tinha, mas, se tem filho vai me entender e saberá que ler um livro é uma façanha e tanto, quanto mais encontrar tempo e disposição para hobbies (confesso que dormir é meu desejo nº 1 da lista). Todavia, quando sinto algo em meu coração com tamanha força preciso fazê-lo e escrever deixou de ser um hobbie para se tornar uma necessidade ( prazerosa) .
Talvez possa tornar esse Blog que sempre levou apenas meu nome em algo que vai além de mim, em algo que (talvez) meu filho um dia possa ler e entender mais sua mãe e a época que se passou enquanto ele crescia.
Não sei que tipo de mãe eu serei e se terei condições ou falarei de tudo a ele, um tudo que é tanta coisa que tenho medo deixar passar algo que eu quisesse muito que ele soubesse. Então este espaço se tornará um lugar onde enquanto Pedro cresce a mamãe registra seus pensamentos e sentimentos.
Tudo que registrarei sairá do meu coração e mesmo que as minhas palavras nem sempre ao Pedro sejam dedicadas a ele sempre servirão pois sua mãe é antes de mais nada uma mulher e um ser humano que, assim como ele, anda por este plano tentando cumprir seu destino.
Para começar este será o primeiro post direcionado ao meu filho, porém, aberto a todos que por todo este tempo aqui passaram e não me encontraram. Peço desculpas e vou me explicar...
Parei de escrever porque precisava sentir, viver. O Blog não me impedia de seguir com a vida, entretanto, eu não conseguia escrever a vida como a sentia. Resumindo, tranquei minha gaiola e segui adiante e a vida se apresentou como devia, num instante pensei que jamais poderia ser mãe e no outro estava lá diante de mim um positivo indicando que em breve eu teria a honra de receber um outro ser. 
Durante toda a gestação me ocupei muito com os sintomas da gravidez, que foram bem intensos, me ocupei com o trabalho e em cuidar dos preparativos para a chegada do bebê. A família crescia e se concretizava numa pessoa que eu desconhecia mas já amava demais. 

Preciso dizer ao meu filho...
Obrigada Deus e meu pequeno menino! Por escolher a mim e a seu pai para lhe ajudar e guiar neste mundo. Eu jamais conseguirei transcrever essa emoção, jamais conseguirei dizer palavras capazes de expressar minha gratidão e afeto, mas é importante para mim registrar, é importante para mim viver tudo isso e principalmente aprender consigo. Eu jamais imaginei ou senti o Amor nessa forma e hoje não posso mais imaginar minha vida sem você porque se me faltava algo já não me falta mais. Sempre lhe observo dormindo e em meus lábios vem aquele sorriso bobo de quem acaba de ganhar o maior presente do mundo e ainda não acredita que isso exista (você ainda saberá o que é isso meu filho), você é minha alegria e agora a vida de seus pais. Meu Amor, se hoje lhe carrego nos braços é apenas um grão no espaço do tanto que lhe carrego no coração e assim será. E assim é... e mesmo que algumas de minhas palavras neste Blog não sejam direcionadas a você, tenha a certeza de que todas elas são partes de uma vida que caminhou para estar ao seu lado. Hoje sou sua mamãe com muito, muito amor e por isso, mais uma vez, muito obrigada!

A todos que me visitam e visitaram meus melhores sentimentos, num momento muito especial da minha vida... Hoje não tenho rimas, poesias ou contos com metáforas elaboradas, essas são as minhas melhores palavras, mesmo que limitadas para expressar o que em meu peito não tenho como conter, por isso, aos meus seguidores e amigos, obrigada! 

Volto. Fico. Recomeço...

Geo
(Foto retirada da internet, não encontrei referência ao autor)
Postar um comentário