Dia 165 - The other side

O silêncio...
As correias te levam para o fundo...
E, no fundo, fez o melhor que podia...
Olhas pra cima, procuras a luz do dia, mas colocam sobre ti a lápide gelada e se faz noite...
A noite eterna que nos aguarda...
Fitaste o céu em seu último momento e mal conseguiste suplicar em pensamento:
Deus não me desampare!!
Teus filhos com olhos marejados de saudade...
E neste momento é cedo para partir e tarde demais para decidir voltar atrás, seja para fazer outras escolhas, viver outros amores, apreciar outros sabores...visitar outros lugares ou cumprir sua sina.
Neste momento, pensamos compreender o que é viver...e o que o tempo representa para quem não sabe o seu significado.
E como é difícil compreender!
Mas talvez seja este o segredo...
Nunca haverá, neste mundo, uma árvore que detenha todo o conhecimento.
Nunca estaremos saciados...
Nunca seremos completamente compreendidos...
Nunca compreenderemos tudo...
Teremos de escolher no escuro, acertar nos próprios erros e errar com dignidade.
Ele também não sabia.
Apenas viveu cada um de seus dias como se o soubesse, assim como faço eu, como faz você, como fazem seus filhos e netos...
E estamos aqui todo o tempo nos questionando, desejando e, mesmo querendo ser outros, somos exatamente o que renegamos...sempre o lado oposto do espelho que não encaramos.
Dedicado ao meu tio Jovino.
4 comentários