Dia 349 - O corpo que fala

Dedos nos lábios e seus pensamentos ignoram a razão.
Pensativa...
Lembranças de uma explosão que implodiu em seu peito...
Dentro de si, duas pessoas, beijos ardentes, sangue quente, desejo que chora...
Sem par.
Dentro de si, pedidos urgentes, que não serão atendidos.
Perguntas sem respostas,
Corpo que implora,
Um chamado sem eco.
Dentro de si, pensamentos, quatro mãos num tormento, um bailado que nunca foi ensaiado, perfeito!
Um dia que ficou no passado, um 'encontro marcado'...
Um dia que nunca termina, que volta, atormenta, alucina, que de tanto queimar se consome e nunca alimenta...
Uma outra chance qualquer para viver tudo de novo.
O roçar de dois corpos,
A expectativa mergulhada no prazer, um procurando o outro...
A urgência de ser... 
De perder os sentidos para os encontrar,
De sentir que está vivo, deixar-se queimar,
Marcar,
Só para depois lembrar o gosto,
O gozo. Gozar.
Apenas se entregar.
Sem raciocinar o lugar, os problemas da vida e todas as feridas que causamos a nós mesmos.
Dentro de si, só...
Pensamentos...
Em seus lábios, só...
A procura de um tempo que passou,
Só...
Desejo, lembrança e lamento...
E a razão implorando...
O esquecimento.

Postar um comentário